Eles trabalham em três turnos. Dão aula em duas, três, quatro escolas. Querem ficar ricos? Não. Querem é sobreviver.

Percorrem bairros distantes, às vezes no mesmo dia. Várias vezes na semana. Fora marido, mulher, filhos, cachorros e gatos. Fim de semana, não conte com eles. Eles têm provas para corrigir. Se for de português tem redação. Piora muito.

Aturam meninos mal-educados pobres e ricos. Pais malucos que acham que o mundo roda em volta de seus filhos de acordo com seu bel prazer. Pais que esperam que a escola dê o que eles não souberam dar: limite e educação.

Eles quase nunca têm material adequado. Nem segurança ou reconhecimento. Mas como ser apaixonado que ronda a amada, eles voltam a cada dia. Sempre com a esperança acesa de que poderão ajudar esses meninos a serem gente melhor. A terem vida melhor.

Professores não acreditam em luz no fim do túnel. Professores acham que há luz no túnel todo. É preciso apenas um novo olhar, um novo saber. Olhos abertos para o mundo. Por isso já apanharam nas ruas. Descontados de salários inteiros ilegalmente. Perseguidos por polícia, diretores, governantes.

Aliás…governantes os odeiam! A pátria educadora sabe o estrago que um bom professor faz. Por isso ela humilha, desampara e pisa em seus educadores. Em vão. Professores não se calam. São seres desobedientes.

Professores são perigosos. Nisso eles têm razão. São o pior inimigo de governantes injustos e mal-intencionados. Eles podem mostrar que as propagandas são mentirosas e vazias. Iluminar a verdadeira situação. Provocar pensamentos, plantar sementes de inquietação.

Eles são fonte de novas ideias. Eles têm a pior das armas mas mãos: o saber, a capacidade de levar a dúvida onde só havia erradas certezas. E mostrar que, sim, tudo pode ser diferente.

Eles abrem as mentes das massas que votam pelo cabresto. São seres irrequietos! São criativos e perigosos. Tenha medo! Eles podem mudar o mundo. Por isso lhes pagam tão mal. Por isso lhes desqualificam. Para ver se desistem. Ou fracos e desnutridos, morrem de fome e não aparecem mais por aqui.

Mas eles são fortes. Pau de dar em doido. Resistentes. Não se quebram facilmente. Adoecem, deprimem, choram. Mas quando você olhar de novo, verá que estão todos lá. Com rumo, objetivo e vontade de mudança. De caneta em punho. Armados e perigosos.

Senhores passageiros dessa sociedade, eles podiam estar roubando (hoje tanta gente faz isso), eles podiam estar matando. Mas estão aqui só pedindo sua atenção. E vão conseguir. Porque têm a quentura das mentes pensantes, o dom da palavra e a paixão na alma.

Insistentes, tentam até te vencer pelo cansaço. Ou pelo prazer de descobrir que pode ir além e crescer. Os governantes já sabem. Os pais loucos esqueceram. Os meninos ainda vão descobrir. Mas no dia que perceberem toda a força de um professor, quem sabe se juntam a eles e constroem um mundo melhor?

Parabéns, professor pela luta dentro e fora das salas de aula. E, principalmente, por sobreviver.

Qual assunto você quer ler aqui? Mande sua sugestão ou história no campo de comentários aqui do blog ou para monica.bayeh@extra.inf.br

Facebook

Twitter

Poesia Toda Prosa

Leia mais: http://extra.globo.com/mulher/um-dedo-de-prosa/parabens-professor-pela-luta-dentro-fora-das-salas-de-aula-principalmente-por-sobreviver-17780021.html#ixzz4N9Pcu000

Comente com Facebook

Se quiser conhecer meus livros