Trago uma solidão

Tão minha aqui no peito

Que às vezes sento e choro

Por falta de outro jeito

É uma solidão grandona

Eu entendo ela e respeito

Solidão não é ruim

Nem tipo algum de defeito

Deixo que ela chegue

Se queixe de meus malfeitos

Deixo que reclame tudo

Sou assim bem imperfeito

Reconheço, não crio caso

Sou réu até bem suspeito

Me esforçarei, lhe prometo

Para ser um melhor sujeito

Eu falo, ela se acalma

Eu com a solidão me ajeito

Ficamos assim em silêncio

Debruçados no parapeito

                      Mônica Raouf El Bayeh

Comente com Facebook

Se quiser conhecer meus livros